Os Pássaros, de Frank Baker

08:29:00


"'Você consegue vê-los?', perguntei, 'Como eles são?'
'Alguns dizem que são rosa, outros dizem que são roxos, mas não consegui chegar perto o suficiente para ver. Não se preocupe, porque vão nos contar tudo sobre eles nos jornais de amanhã'." (Pág. 48)

Em um dia qualquer, os moradores de Londres tiveram uma surpresa. Ao olhar para o céu, notaram a presença de vários pássaros pretos, que depois passaram a se aglomerar em pontos movimentados da cidade. Algumas senhoras tentaram alimentar as aves, repetindo um ato que já fazia parte da sua rotina nas praças londrinas, mas os animais rejeitaram e atacaram as mulheres, ocasionando até a morte de uma das idosas. 

Diferentemente do esperado, a situação não mudou com o passar dos dias. Foram desenvolvidas medidas na tentativa de eliminar os pássaros, como a ação de alguns homens acostumados a caçar essas aves, mas todas acabaram em mortes. Aos poucos, os habitantes de Londres foram apenas aceitando a presença constante desses animais, ignorando o barulho e as perseguições provocados por eles. No entanto, os pássaros permaneceram no local até completar a sua missão.


O livro consiste em um relato de um dos sobreviventes do ataque dos pássaros. Aos 85 anos de idade e vivendo em um outro ambiente, o homem decide finalmente contar para a filha, Anna, essa parte da sua existência que até então não havia sido compartilhada, como foi viver em Londres durante essa situação totalmente inesperada e inexplicada, já que o motivo pelo qual os animais passaram a sobrevoar a cidade e atacar a população nunca foi desvendado. Portanto, a obra é narrada em primeira pessoa e não é divida em capítulos, mas sim em três partes não proporcionais, de modo que alguns momentos da história acabam se prolongando muito.

Contrariando as minhas expectativas, os pássaros constituem o segundo plano da trama. Ou seja, o ataque feito pelas aves, diferentemente do que é sugerido pela premissa do livro, funciona apenas como um plano de fundo para determinado período da vida do narrador. Isso é confirmado na página 168, quando o personagem afirma: "No entanto, as preocupações do planeta estão fora do escopo de minha história, e não pretendo ocupar-me com elas. Será seu propósito ampliá-las a partir do meu relato pessoal, e assim terá um retrato, até onde eu sei, do que aconteceu ao mecanismo completo da civilização." É por meio do relato desse homem e das críticas que ele costuma fazer a certos aspectos, principalmente ao comportamento da comunidade londrina, que o leitor tem uma noção daquele contexto. 

No momento em que esse sobrevivente resolve falar sobre essa fase da vida com a filha, ele encontra a oportunidade de se abrir, de desabafar sobre os seus sentimentos naquela época e sobre como a chegada dos pássaros despertou sua necessidade de se questionar acerca de determinados assuntos. Devido à maneira indiferente como boa parte das pessoas lidava com esse acontecimento inesperado, o homem acreditava ser o único que se importava com aquilo. No entanto, em alguns trechos do seu relato é possível perceber que por vezes o próprio narrador não demonstrava tanto interesse no assunto, já que ele preferia abordar suas intensas reflexões pessoais ao invés de retratar os impactos causados pelas aves.


Confesso que não gostei muito desse protagonista. Em alguns momentos ele me pareceu muito sonhador e romântico, ao ponto de parecer bobo. Um exemplo disso é a forma como ele descreve o dia em que conheceu Olga, sua futura esposa. O personagem viu a mulher uma única vez em um bar e a partir desse instante já estava apaixonado. Quando os dois finalmente se encontram e conversam, o homem já afirma que aquela é a mulher da sua vida e que a ama. Esse amor repentino não me convenceu. 

Outro ponto que me incomodou na história foi um vício do autor: escrever "conhecido como" e "chamado de" a cada duas, três páginas. Com o desenvolvimento do enredo eu fui entendendo que isso ocorria porque a filha do protagonista, quem está ouvindo o relato, vive em uma condição totalmente diferente, de modo que várias das coisas mencionadas não fazem parte do seu cotidiano. Porém, muitas delas são simples de deduzir, logo, o narrador não precisava ficar explicando alguns termos, como nesse trecho: "Annie, a pequena criatura conhecida como a 'empregada', que esperava por nós e fazia a maior parte dos serviços domésticos"

Algumas das reflexões abordadas pelo protagonista durante o seu relato tratam de religião e homossexualidade. De acordo com um texto de Ken Mogg que introduz essa edição feita pela DarkSide Books, Frank Baker teve um amigo que era um monge anglo-católico e aparentemente homossexual, portanto, esses dois temas estão diretamente relacionados com a vida do escritor. Essa introdução permite que o leitor identifique na narrativa personagens baseados em pessoas que passaram pela vida do autor. Sendo assim, o relato do protagonista de Os Pássaros acaba retratando momentos vivenciados pelo próprio Frank Baker.


O fato de a obra ser centrada na vida do protagonista e não no ataque dos pássaros, como já mencionei anteriormente, fez com que eu desanimasse um tanto com o livro. As passagens em que as aves apareciam e os seus comportamentos eram retratados eram as que mais me deixavam empolgada, com vontade de ler. Ainda assim, alguns momentos da história do sobrevivente são interessantes, principalmente aqueles que criticam a sociedade da época, que foram os que eu mais gostei.

Por isso, se você deseja fazer a leitura de Os Pássaros com o objetivo de encontrar um universo apocalíptico no qual as atitudes das aves sejam o foco, não vá com muita sede ao pote. O ataque dos pássaros é apenas a motivação para que o protagonista conte a sua história. Por conta disso, o motivo pelo qual esses animais invadiram a cidade de Londres, entre outras questões, acabam ficando sem respostas. Com relação à polêmica do filme, não posso opinar pois ainda não conferi o trabalho do Hitchcock, mas de acordo com comentários que tenho visto pela internet, a única semelhança entre as duas obras é o ataque das aves. 

"Mas um fato se destacava. Ninguém até então havia sido capaz de matar ou capturar uma daquelas pragas. Pelo contrário, um considerável número de pessoas engajadas em combatê-las tinha morrido. E em todos esses embates mortais, nenhum pássaro, nem mesmo uma pena, jamais foi encontrado." (Pág. 170)


Minha Estante #82
Título: Os Pássaros
Autor (a): Frank Baker
Páginas: 304
Editora: DarkSide
Nota: 3/5
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino
Livro cedido em parceria com a editora


Já leram Os Pássaros ou assistiram ao filme? O que acharam da história? Me contem nos comentários! 
Beijos e até amanhã!

♥ Banco de Séries | Facebook | Filmow | Goodreads | Instagram | Skoob | Twitter | YouTube ♥

You Might Also Like

8 comentários

  1. Poxa, pelo título da obra fica emtendido que o foco são os pássaros. De todo modo, suponho que o objetivo da obra é mostrar que esse acontecimento misterioso levou o protagonista a refletir sobre certas coisas da vida na cidade.
    Abraço!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso, Jailson! O livro retrata as reflexões do protagonista a partir desse acontecimento repentino. Beijos ♥

      Excluir
  2. Gabi!
    Já assisti o filme há muito tempo atrás e achei que o livro teria o ambiente de terror que o filme transparece, mas pelo jeito, acho que não.
    Fiquei curiosa por saber desses relatos de um senhorinho de 85 anos e tudo que passou no governo inglês.
    “Que os sinos natalícios anunciem as boas novas e te tragam um natal abençoado. Boas Festas!”
    (Priscilla Rodighiero)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de DEZEMBRO ESPECIAL livros + BRINDES e 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rudy! O livro não se encaixa bem no terror, já que o foco não é o ataque de pássaros. Ainda não vi o filme e confesso que não estou muito empolgada. Beijos ♥

      Excluir
  3. Bem misterioso o aparecimento desses pássaros, pena que o foco não são eles e algumas questões ficaram sem resposta e eu curiosa para saber como eles surgiram e porque, entre outras questões, ficaria só na curiosidade se eu for ler aff, não gosto quando um livro termina em aberto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não curto muito livros que não possuem um final fechadinho. Beijos ♥

      Excluir
  4. Estava em dúvida em comprar este livro, o post ajudou bantante! Ty! :3

    ResponderExcluir

Não vai sair sem deixar um comentário, né? Sua opinião é muito importante para mim.
Por favor, deixe o link do seu blog no final do comentário, assim poderei retribuir a visita.
Obrigada. Volte sempre!

Layout por Gabrielle Oliveira. Tecnologia do Blogger.

Twitter

@blogfrasesperdidas

Subscribe